Segunda, 15 Julho 2019 21:43

PRINCIPAIS RISCOS QUE ENVOLVEM UMA LIPOASPIRAÇÃO

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Principais riscos que envolvem uma lipoaspiração

Entenda como funciona a cirurgia e tire suas principais dúvidas sobre o assunto.

 

 

post 1

 

Crédito da imagem: chirurgie-esthetique-le-havre.com

Quem é que não sonha em dar fim àquelas “gordurinhas indesejadas”?

Graças aos avanços da medicina moderna, a lipoaspiração promete retirar as gorduras localizadas, proporcionando maior modelamento do contorno corporal.

Vamos entender como funciona essa técnica tão promissora.

Pronta para saber mais sobre o assunto? Confira a leitura até o fim!

 O que é lipoaspiração?

         A lipoaspiração é uma técnica de cirurgia plástica que permite a aspiração de gordura através de cânulas.

         Tal procedimento pode ser realizado em várias regiões do corpo. Dependendo do tamanho da extensão corporal e da quantidade de gordura retirada, a cirurgia varia sua classificação desde pequeno até grandes procedimentos cirúrgicos, que podem levar mais tempo e demandam maior complexidade para serem realizados.

         Apesar da técnica ser bastante promissora, ela não é a solução efetiva para toda a gordura localizada, pois não se recomenda retirar mais do que 5% do peso corporal total, podendo trazer riscos para a saúde do paciente.

         Como o procedimento pode ter enormes variações, podemos classificar a “lipo” em alguns subtipos:

Lipoaspiração comum: nesta cirurgia é utilizada anestesia local com sedação e a cânula suga a gordura diretamente na região de interesse.

Lipoescultura (lipoenxertia): a gordura em excesso que é retirada pode ser reaproveitada em outras partes do corpo, gerando aumento em regiões de interesse, como glúteos e mamas.

Vibrolipo: é muito similar à “lipo” comum, porém, além da introdução normal da cânula, é feita uma vibração para auxiliar na saída de gordura.

Mini-lipo: é a lipoaspiração comum, mas realizada em locais menores e com anestesia menos intensa.

Hidrolipo: é feita em regiões menores e considerada uma “mini-lipo”, aplicando-se solução anestésica para diminuir a dor local.

Lipoaspiração a laser: além da cânula comum, é introduzida também uma fibra ótica que realiza a quebra do tecido adiposo.

 

Como funciona a cirurgia?

         A cirurgia deve sempre ser realizada por um profissional qualificado e experiente (cirurgião plástico), evitando minimizar os riscos da lipoaspiração. Antes da introdução das cânulas propriamente ditas na pele, é realizado todo o procedimento anestésico e infiltrada uma solução de soro fisiológico e adrenalina (solução de Klein) para diminuir as chances de sangramento e trauma durante a cirurgia.

         Depois disso, as cânulas são inseridas até o tecido adiposo (tecido de gordura) que está logo após a pele, de onde a gordura localizada é aspirada por meio de um sistema à vácuo. As técnicas específicas, bem como os locais onde as cânulas serão introduzidas, dependerão de cada paciente e da prática de cada cirurgião.

O tempo de cirurgia varia muito, dependendo da região e da quantidade de gordura a ser aspirada. Mas geralmente costuma ser um procedimento mais demorado, que pode levar uma média de três a quatro horas para realização.

         As cicatrizes do procedimento são quase “inexistentes”, medindo cerca de meio centímetro. Caso não hajam complicações (que costumam ser muito raras), elas tendem a ficar quase imperceptíveis com o tempo, não gerando nenhum tipo de incômodo.

Como é o pós-operatório?

         Uma semana depois da cirurgia já é possível retornar ao trabalho, mas o cuidado envolve que o paciente cuide bem com as indicações de recuperações após a lipo que o cirurgião repassar, evitando esforços físicos, seguindo com o uso da cinta modeladora e fazendo uso de medicamentos analgésicos e antibióticos, para evitar a dor e processos de infecção.

         Além disso, a rotina normal e as atividades físicas só devem ser retornadas aproximadamente cerca de um mês após o procedimento e cabe ao cirurgião avaliar a situação específica de cada pessoa. 

 

Para quem o procedimento é indicado?

         É importante entender que a lipoaspiração não se trata de uma cirurgia para quem deseja perder peso ou tratar a obesidade, auxiliando no processo de modelagem e contorno corporal e agindo diretamente sobre a gordura localizada.

         É indicada para quem possui gordura localizada, mas não consegue se livrar dela de outras formas, como dietas e exercícios específicos.

         Apesar de ter se tornado banalizada nos últimos tempos, recomenda-se que ela realmente seja realizada por pessoas que não respondem a outros tipos de tratamentos ou hábitos, como os citados anteriormente, pois pode trazer sérios riscos para a saúde, não sendo um procedimento tão simples quanto se imagina.

         Vale ressaltar que ele não é indicado para pessoas que possuem risco cirúrgico aumentado para a maioria das cirurgias, como: quadros de hipertensão, obesidade, diabetes não controlada, problemas cardiovasculares e de coagulação, dentre outros.

O ideal é sempre seguir as orientações do médico para que ele indique se a lipoaspiração é realmente a intervenção indicada para o caso e se ela não trará riscos para a sua saúde.

 

Afinal, quais são os principais riscos de uma lipoaspiração?

         Apesar de ser um procedimento muito realizado hoje em dia, ele não é livre de riscos. Muito pelo contrário: pode levar a sérios problemas de saúde.

         Por se tratar de um procedimento cirúrgico, o ideal é que só seja executado realmente se houver necessidade, focando não só em questões estéticas como também de saúde do paciente.

         Os riscos da cirurgia geralmente estão relacionados com complicações comuns a qualquer procedimento cirúrgico, como: sangramento, desenvolvimento de infecções, trombose venosa e/ou embolia pulmonar, podendo levar até ao óbito.

         Além dos riscos gerais e da possibilidade de a cirurgia não gerar os efeitos esperados, os riscos específicos para este tipo de cirurgia incluem:

  • Depressão da região lipoaspirada;
  • Alterações na pele (com relação à flacidez e rugosidade);
  • Desenvolvimento de fibrose (comprometendo a estética);
  • Alteração de coloração da pele;
  • Necrose da pele local (gerando prejuízos à paciente).  

A maioria dos riscos podem ser minimizados se forem seguidas com cautela as indicações de pós-operatório do médico. Além disso, neste procedimento específico, a drenagem linfática pode ser essencial para diminuição do inchaço e dos riscos associados ao procedimento, como o próprio desenvolvimento de fibrose e necrose.

Outros aspectos importantes:

         Apesar de todos sonharem com o fim da gordura localizada, é importante ter em mente que a lipoaspiração não será responsável pelo emagrecimento ou tratamento de problemas de saúde como a obesidade.

         Mas ela pode ser essencial para quem quer dar um “up” na autoestima e realmente não consegue se livrar das gorduras localizadas com exercícios e dietas.

         Gostou do conteúdo de hoje sobre a lipoaspiração e seus riscos associados? Comente logo abaixo o que você achou do tema.

Ler 115 vezes Última modificação em Segunda, 15 Julho 2019 22:15

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

User Login Form